Dilema dos brasileiros que saem do Brasil.

0
158

Será que o mundo aguenta essa debandada de tantos brasileiros?

Sabemos o quanto é difícil viver longe do seu país e família, vemos de perto o dilema dos brasileiros que saem do Brasil.

Temos viajado muito nos últimos 10 anos, sempre foi nossa intenção ter uma vida parecida com a vida das aves “bobo-escuro” (risos).

São as aves mais migratórias que existem em todo o planeta.

Pássaro Bobo Escuro parando para um merecido descanso em algum oceano após .uma longa jornada de vôo.

Essas aves da família dos albatrozes viajam tanto que chegam a percorrer anualmente mais de 60 mil quilômetros desde a Nova Zelândia até o Brasil, passando pelos EEUU, Japão, Chile e quase todos os oceanos.

Os intrépidos brasileiros que saem do Brasil …”Só que não”!!! kkkk…

Vemos mundo a fora muitos brasileiros intrépidos que também se lançam em migrações por vezes arriscadas e de difícil adaptação aos novos parâmetros e costumes do local aonde decidem iniciar uma nova vida.

Tem que ter coragem para enfrentar a força do desconhecido.

Como bons brasileiros sempre sabemos identificar mesmo que a distancia, um “parente brazuca”, seja pelo idioma, pelos trejeitos ou até mesmo pelo tom da voz ou alegria irradiante.

Por vezes sentamos para um bate papo, trocamos ideias e experiências. Contudo, como somos meio albatrozes e não fixamos raízes em lugar nenhum, temos facilidade em interpretar o que existe em comum na maioria dos brasileiros que conhecemos pelo mundo a fora.

O Choque cultural é arrasador.

Guardando uma boa folga para as exceções, a maioria dos brasileiros tem no choque cultural um dos fatores predominante para não se sentirem felizes aonde estão.

Temos que saber respeitar a cultura, esta regra é imutável.

Além disso, existe ainda uma falta fora do comum dos amigos de longas datas e da família.

Há também a saudade da nossa comida e muitas vezes a falta daquele calor humano “Made in Brazil”, pois é comum estarmos sempre agrupados a beber, comer, fazer churrasco, rir, conversar etc., já que são fortes hábitos de nossa cultura.

A falta de tudo isso é algo decisivo para que a maioria do nosso povo não encontre a plena satisfação e felicidade no destino escolhido para reposicionar e dar um novo sentido a suas vidas.

Culturas e hábitos são muralhas fortificadas!

É de suma importância entendermos que culturas e hábitos locais são como muralhas de castelos e fortes, normalmente intransponíveis e invioláveis, portanto, o melhor e mais inteligente a se fazer para entrarmos em um local tão fortificado, é se render e evitar qualquer tipo de comparações e conflitos.

A busca pela adaptação tem que ser a palavra de ordem nesta primeira etapa.

Culturas são intransponíveis!!!

Conhecemos muitas culturas e sabemos de cátedra que aquilo que é certo em um local, pode ser abominável em outro.

Se estamos de passagem ou elegemos voluntariamente aquele local para viver, teremos que adquirir uma nova missão em nossas vidas e para este tipo de atitude damos o nome de “virar a página”, ou seja, partir para um próximo e novo capitulo, para um edificante momento de adquirirmos novas experiências e transformações em nossas vidas.

Aceitar a transformação.

A palavra transformação, por si só já deixa claro o que está por vir quando nos lançamos em um projeto desta envergadura, não há como nos mantermos iguais, não existe a menor possibilidade de enfiar o Brasil nesta nova imersão cultural que decidimos pra nós.

Tampouco existe a possibilidade de aproveitarmos nesta nova cultura apenas os hábitos e regras que nos interessam. Nem em nossa própria cultura conseguimos isso!

Transformar para evoluir, este é o segredo!

Todos os países tem suas características que podem nos agradar em maior ou menor porcentagem, mas também tem um monte de benefícios que muitas vezes não encontramos em nossa terra natal.

É igual a uma conta bancária, devemos ter a maturidade de buscar um equilíbrio entre as receitas e despesas para ficarmos sempre com um saldo positivo e evitar endividamentos que geralmente nos deixam estressados e infelizes.

Humildade = Inteligência.

Realidades bem diferentes!

Pessoalmente, nós vivemos uma realidade um pouco diferente dos muitos brasileiros que migram para outros países.

Nossa meta principal é justamente conviver em culturas distintas, isso nos entusiasma muito, como também, nos dá uma visão de mundo muito diferenciada.

Sabemos que a cultura da maioria dos estrangeiros é normalmente voltada para a luta do dia a dia, o agrupamento em prol do social e coletivo, mas sempre respeitando a individualidade alheia e as regras legais e sociais.

Respeito ao próximo e às leis.

O sentimento de coletivo na maioria dos países que conhecemos é algo que nos faz refletir muito sobre tudo que aprendemos.

Vimos com nossos próprios olhos vários exemplos onde identificamos um abismo cultural muito grande entre a maioria das sociedades e a nossa.

A união e o respeito fazem uma socieidade forte!

Nossa formação cultural.

A forma com que somos educados desde a infância nos torna muito mais preparados para qualquer tipo de confronto, pois em nossa cultura o vencedor não é o que estudou mais ou o mais educado, será sempre o mais forte fisicamente e de atitude, e isso contribui significativamente para que sejamos bem menos pacientes, tolerantes e cumpridores de regras, já que em geral, o que mais vemos no dia a dia é que as regras são relativas e não obrigatórias.

Se observarmos bem, veremos que os exemplos vem de todas as camadas e partes da nossa sociedade.

Vemos isso em todo lugar: nas novelas; nos filmes; nas escolas; no parlamento; nas ruas etc., é muito natural que tais comportamentos estejam a cada dia impregnando mais e mais nossa jovem sociedade.

É nosso dever lutar por uma sociedade justa e igualitária.

Abismo cultural incontestável.

Trazendo tudo isso para uma realidade por nós observada em diversos países, notamos claramente que a maioria dos estrangeiros tem uma criação muito voltada ao coletivo, onde o respeito ao próximo e às regras é imperativo na conduta de cada um.

Adaptação plena = Determinação e Humildade.

Isso contribui fortemente para que a sociedade conviva de uma maneira mais pacifica e gentil, pois, a força, o ter e a vaidade, não são tão valorizados como em nossa sociedade.

Citando exemplos práticos.

Um bom exemplo disso é o comportamento das crianças, que diferentemente das nossas onde o contato com a vaidade já começa muito cedo, elas são apenas crianças, se vestem como crianças e brincam como tal.

Já nos adultos, notamos uma preocupação muito maior com a vida pratica e real, ou seja, um carro serve para leva-lo de um ponto a outro e não como expressão de poder aquisitivo.

É muito comum vermos pelas ruas de cidades como Berlim, Lisboa, Paris etc, carros com mais de 15 anos de uso rodando normalmente, algo inimaginável em nossa cultura.

Vida simples e conteúdo inteligente.

Se olhando no espelho!

Após esta breve análise, gostaria muito de chamar a atenção do leitor para o fato de que mudar para viver em um outro país é uma decisão que precisa ser muito bem pensada, como também, vários pontos precisam ser levados em consideração.

Confrontar a si mesmo.
Importante passar isso a limpo.

Devemos nos olhar no espelho e fazer-nos algumas perguntas que são imprescindíveis:

* Que tipo de brasileiro eu efetivamente sou?
* Estou disposto a sofrer transformações de conceitos éticos e morais?
* Vou deixar o Brasil de cabeça aberta para entender que lá fora
serei constantemente confrontado com a minha consciência?

* Sairei do Brasil ou o levarei comigo para aonde quer que eu vá?

Sabemos o quanto essas perguntas são difíceis, mas entendemos ser necessário fazê-las a si próprio, caso contrário, seremos apenas mais um dos milhares de brasileiros que quando chegam ao país escolhido, a primeira atitude que tomam é a de se reagruparem com outros brasileiros, morar em bairros com uma elevada concentração de compatriotas e assim, sinalizar uma total determinação em não viver mais próximos aos costumes locais, mas manter-se “seguro” junto de seus próprios hábitos e conceitos.

Brasileiros pelo mundo…

Não estamos aqui dizendo que conhecer brasileiros ou estar com nossos compatriotas seja algo equivocado, mas certamente se você se fez as 4 perguntas sugeridas anteriormente, verá que este tipo de atitude demonstra uma falta de resposta a todas elas, concorda?

“Quando mudamos é para mudar”! Sair da nossa zona de conforto, nos confrontarmos com quem somos e aceitar que se transformar é algo necessário para evoluir, logo, somos favoráveis a ir a luta, arregaçar as mangas e “partir pra dentro do desafio”

Mudar de vida fora do Brasil!

Chegou a hora de desmamar!

Se não for assim, não há projeto de mudança de vida e certamente você terá uma chance muito grande de fracassar, pois o processo preparatório que deve existir para uma mudança dessa, deve ser começado ainda no Brasil, muito antes da compra da passagem.

Chamamos essa etapa de “fase de desmame”, onde você deve estar muito mais próximo de você e afastado da atmosfera que sempre o cercou, afinal, não se trata de uma viagem de turismo, não tem passagem com data de retorno, é uma mudança brusca de vida.

O momento de partir e encarar uma nova realidade.

Planejando a grande mudança.

Portanto, concentre-se muito; leia muito e veja vídeos sobre seu novo destino, entenda como funciona a sociedade que você fará parte, conheça as leis e os costumes.

Se for possível, conheça alguém do país que você irá, é provável que ele possa lhe dar dicas sinceras e em detalhes sobre como funciona a sociedade e seus hábitos culturais.

Pra mim já deu….Fui…

Faça simulações de como será seu dia-a-dia lá, veja o clima, dependendo do local, é muito importante não chegar em pleno inverno, isso certamente lhe impactará muito negativamente.

Na grande maioria dos países onde o frio é mais intenso que no Brasil, a personalidade das pessoas muda muito, é meio louco isso, mas você nota claramente que as pessoas ficam diferentes durante o inverno, são mais introspectivas, quase não lhe cumprimentam e as vezes parecem até um pouco depressivas.

Há lugares onde o inverno castiga e muitas vezes dificulta o convívio social.

Esteja pronto e decidido!

Após esses conselhos úteis, é hora de arrumar as malas e tentar um caminho diferente dos muitos “brazucas” que se lançam neste desafio.

Chegou a hora final de você decidir exatamente o que escolheu para sua nova vida em um outro país.

Sentimentos como saudade, solidão, dificuldades diversas e outros perrengues, deverão ser encarados como companheiros de jornada e não como ingredientes para fraquejar.

Nunca será fácil uma mudança como esta e isso deve estar muito claro em sua mente”.

Este é o momento ideal pra você se olhar no espelho e dizer:
“SOU BRASILEIRO E NÃO DESISTO NUNCA!!!

Nunca desistir!!!

Morar em um outro país, aprender um novo idioma e conviver em uma cultura diferente da nossa, é seguramente uma das mais fantásticas experiências que um ser humano deve passar.

O mundo esta cheio de oportunidades e existem sociedades por aí a fora que valem muito a pena conhecer.

Falar um novo idioma e trabalhar dignamente. O mundo lhe espera!!!

Como brasileiros que somos, admitimos todas as belezas e o clima abençoado que existe nas diversas regiões do Brasil, mas nada disso pode ser suficiente para nos contentar e diminuir nosso interesse em nos aventurarmos mundo a fora.

O mundo é cheio de diferentes belezas e novidades que jamais um único pais terá  condições de reproduzir.

Além do Rio de Janeiro, o Brasil tem muitos lugares lindos…

Se mantenha firme no desafio do aprendizado.

Os povos são bem diferentes em hábitos e costumes. É sensacional sermos surpreendidos com uma arquitetura, comida ou atitude diferente e que jamais veríamos em nosso cotidiano.

Como também, convivermos em lugares pacíficos, com uma sociedade ordeira e com uma preocupação anormal com a educação e a saúde pública.

Lugares onde muitas vezes conseguiremos enxergar o valor da dignidade e do respeito ao ser humano.

É realmente importante para nós, enquanto cidadãos do mundo, percebermos tudo de maravilhoso que há nesses detalhes de convivência.

Não queremos aqui está fazendo uma falsa afirmação de que a maioria dos países do mundo são perfeitos e sem mazelas sociais.

Desafio é crescimento.

É claro que há problemas em todos os lugares do mundo, até nos mais evoluídos socialmente.

Não estamos aqui vendendo a ideia de que só o Brasil é quem tem problemas sérios, de jeito nenhum, mas é incontestável que em nosso país os problemas são sistêmicos e sem nenhuma perspectiva efetiva de mudança no curto ou médio prazo.

Enquanto em outros países de similar importância, nota-se uma clara necessidade de evoluir constantemente graças ao esforço incansável da sua própria sociedade, da pressão que seus governantes sofrem para manter-se sempre em um caminho que atenda aos interesses do coletivo e isso faz toda a diferença.

Vencer fora do Brasil é algo muito possível, basta determinação e preparação.

Morando em outros países, vocês irão presenciar as leis sendo aplicadas no dia a dia das pessoas, verá o respeito que a sociedade tem pelos educadores, pelos agentes públicos da segurança e da saúde.

Enfim, será muito fácil fazer uma correlação com o comportamento da sociedade em nosso país.

Mesmo que não queiramos, seremos obrigados a aceitar que nossa sociedade ainda precisa de muitas décadas para se modificar.

Precisamos evoluir muito a ponto de conseguirmos olhar para os mesmos problemas de décadas e propormos soluções diferenciadas, soluções que efetivamente beneficie a todos, pobres e ricos, mesmo que em detrimento de interesses pessoais de uma camada da sociedade.

Uma sociedade unida em prol do coletivo, faz uma nação virar potencia mundial.

Uma solução verdadeira que atenda os anseios de um coletivo sofrido, pobre e que tiveram por anos suas oportunidades usurpadas pela corrupção e descaso por parte dos nossos históricos governantes sempre reeleitos à base de troca de favores individualizados.

Nos sentimos pessoalmente muito tristes em ter que fazer tais afirmações, pois amamos nosso país e reconhecemos todo o potencial que possui, mas não podemos ser hipócritas e nem muito menos usarmos este espaço para defender qualquer tipo de ideologia política, senão, os interesses daqueles que mais sofrem e ficam a cada dia mais indefesos diante desta cruel realidade.

Desta forma, desejamos a todos os queridos e intrépidos “brazucas” que já deixaram ou estão determinados em deixar o Brasil, que sejam ou se mantenham sempre fortes no enfrentamento desta dura e edificante jornada de crescimento pessoal através da adaptação e vivencia em outras culturas.

Que vocês tenham muita obstinação e fé, que nunca evitem esta oportunidade de conhecer outros países e nem tampouco desistam de lutar por uma vida melhor e mais recheada de cultura, educação e respeito ao próximo.

Entusiasmo é ter DEUS dentro de nós!

Nossa história demonstra o quanto somos guerreiros, mas também, o quanto tivemos nossa autoestima atingida pelos diversos escândalos e derrotas político-sociais nas últimas décadas.

Precisamos muito voltar a ter a honra e a coragem de gritarmos bem alto e em qualquer parte do mundo:

“Sou Brasileiro, com muito orgulho e com muito amor”

Temos absolutamente TUDO para sermos um dos melhores, justos e promissores países do mundo.

E que este amor e orgulho de sermos brasileiros, se transforme realmente em um amor sublime à nossa pátria, mas ACIMA DE TUDO, amor a uma sociedade que somente unida conseguirá transformar o país no que ele certamente há de ser em um futuro muito próximo!!!

Assim esperamos & Desejamos!!!